Pular para o conteúdo principal

Quero voos altos...





Pensamentos confusos. Não chegam a lugar algum. Aperto, arrepio e arrependimento, vocês não são bem vindos. Mas invadem, mexem, machucam. Nobremente, a razão insiste que não há o que temer. Mas a emoção não quer saber. Ela surge como um vulcão. Queima, arde e cura. Ela sempre cura. Ela parte da alma para se derramar na alma. Como o néctar da verdade. 

Neste momento, meus olhos fixam em direções distintas. Olho para o céu, para algumas fotos na gaveta. Olho nos meus olhos e não me encontro. Não me entendo. Não acho o caminho certo. Olho para trás e continuo sem entender. Meus pés estão em terra firme. Não estou pairando.

A brisa suave e a ventania são capazes de mover a terra de um lado a outro. Eles sim são reais. A terra é passageira. Hoje estamos sobre o Brasil, amanhã? Quem sabe? O universo não tem limites. Deus é infinito. Por que devemos nos limitar a ter os pés no chão?

Quero a sabedoria de voar alto. Ah... Fernão Capelo Gaivota. Professor e mestre. Tuas ideias me iluminaram. É preciso saber voar. Aí sim. Ponderar, ir adiante. Passado. Presente. Futuro. Um se liga ao outro por uma linha tênue, imaginária e real, como as linhas que desenham o horizonte. Ele está ali, mas é de uma amplitude tamanha que beira o infinito dos mundos.

O jeito é respirar bem fundo. Deixar que as ideias voltem ao prumo. Dar um chega pra lá nesta confusão. Pensamentos são rápidos demais. Assumem uma velocidade colossal. Precisamos ter fé e foco. Voar com objetivo é muito mais prazeroso. Só assim a paz se aconchega no peito e a harmonia se faz presente no passar dos dias.

Voar é minha vida!

Cris Lavratti

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PROVOCATEUR

Festival de Cervejas

300 - MENU 300 EXPERIENCE